DestaquesGeralSaúde

Confirmado mais um caso de Dengue em Espumoso

0
Foto: Arquivo/ClicEspumoso
Compartilhe este post

O quinto caso de Dengue foi confirmado nesta quarta-feira, 08, em Espumoso. O município agora possui dois casos importados e este é o terceiro caso autóctone (que é quando a doença é contraída dentro do município). Além disso, outras duas pessoas que apresentaram os sintomas estão sendo monitoradas.

A quinta pessoa diagnosticada com a doença é uma senhora de 79 anos de idade que também reside no Bairro Centro, na Rua Barão do Rio Branco, próximo do local em que reside a pessoa diagnosticada como o primeiro caso autóctone no município.

A secretaria de saúde está realizando ações de combate ao mosquito, principalmente a aplicação de veneno desde a semana passada, porém o número de casos continua aumentando mesmo assim.

Foto: Eduardo Konff / Assecom Prefeitura Municipal de Espumoso

O município estuda novas medidas para colocar em funcionamento e ampliar as ações de combate ao mosquito Aedes Aegypti, transmissor da doença.

Contudo, devemos lembrar que o maior aliado na luta contra o mosquito da dengue é justamente a população, que deve fazer sua parte na eliminação de criadouros do mosquito, aplicação de venenos em suas residências e auxílio na divulgação das medidas para combater o Aedes.

Precisamos mais do que nunca nos engajar nessa luta e fazer o máximo possível para evitar uma epidemia da doença em nossa cidade. A participação de todos é a maior arma que Espumoso possui nesse momento.

Índice de infestação elevado

Uma situação que devemos levar em conta neste momento e nos conscientizar do tamanho do problema que podemos enfrentar é com relação ao índice de infestação do mosquito transmissor da Dengue. Espumoso já foi a segunda cidade com maior índice de infestação no estado, hoje, diminuiu a porcentagem, porém ainda está entre as 10 cidades com mais focos encontrados.

A cidade trimestralmente realiza o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) que permite que, com base nas informações coletadas, o gestor pode identificar os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito, bem como o tipo de criadouro predominante. O objetivo é que, com a realização do levantamento, os municípios tenham melhores condições de fazer o planejamento das ações de combate e controle do mosquito. O índice de infestação predial (IIP) gerado pelo método indica o percentual de amostras onde foram identificadas larvas no inseto.

Prevenção contra o mosquito

A transmissão da dengue, zika e chikungunya ocorre pela picada do Aedes aegypti. O mosquito tem em média menos de 1 centímetro, é escuro e com riscos brancos nas patas, na cabeça e no corpo. Para se reproduzir, ele precisa de locais com água parada, não necessariamente suja. Muitos desses locais ficam em pátios e residências. Por isso, o cuidado para evitar a sua proliferação busca eliminar os possíveis criadouros, impedindo o nascimento do inseto.

Entre as medidas, recomenda-se:

– Tampar caixas d’água, tonéis e latões;
– Guardar garrafas vazias viradas para baixo;
– Guardar pneus sob abrigos;
– Não acumular água nos pratos de vasos de plantas e enchê-los com areia;
– Manter desentupidos ralos, canos, calhas, toldos e marquises;
– Manter lixeiras fechadas e piscinas tratadas o ano inteiro.

Mais em Destaques