DestaquesGeralRegiãoSaúde

Confirmado o primeiro caso de varíola dos macacos em Passo Fundo

0
Foto: iStock / Ilustrativa
Compartilhe este post

 

O Rio Grande do Sul chegou nessa sexta-feira (5) a 20 casos de varíola dos macacos (monkeypox) confirmados. Conforme a Secretaria Estadual da Saúde (SES), do total, são 07 mulheres e 13 homens.

Passo Fundo confirmou o primeiro caso de acordo com o boletim divulgado pela SES. Ainda não há detalhes sobre o sexo, idade e estado de saúde.

Casos confirmados por município:

  • Canoas: 2
  • Caxias do Sul: 2
  • Esteio: 1
  • Garibaldi: 1
  • Igrejinha: 1
  • Novo Hamburgo: 1
  • Passo Fundo: 1
  • Porto Alegre: 5
  • São Marcos: 1
  • Uruguaiana: 1
  • Viamão: 3
  • Residente de fora do Estado: 1

Nesta semana a Uirapuru realizou uma entrevista com a Secretária Municipal de Saúde, Dra. Cristine Pilati, a qual informou que a cidade já tem um plano de contingência para a chegada da doença. Na ocasião não havia nenhum caso confirmado na cidade e a secretária destacou que era só uma questão de tempo até o primeiro registro.

O que é a varíola dos macacos?

A varíola dos macacos é uma doença viral rara transmitida pelo contato próximo com uma pessoa infectada.

A transmissão pode ocorrer pelas seguintes formas:

  • Por contato com o vírus – com um animal, pessoa ou materiais infectados, incluindo através de mordidas e arranhões de animais, manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. Ainda não se sabe qual animal mantém o vírus na natureza, embora os roedores africanos sejam suspeitos de desempenhar um papel na transmissão da varíola às pessoas.
  • De pessoa para pessoa – pelo contato direto com fluidos corporais como sangue e pus, secreções respiratórias ou feridas de uma pessoa infectada, durante o contato íntimo – inclusive durante o sexo – e ao beijar, abraçar ou tocar partes do corpo com feridas causadas pela doença. Ainda não se sabe se a varíola do macaco pode se espalhar através do sêmen ou fluidos vaginais.
  • Por materiais contaminados que tocaram fluidos corporais ou feridas, como roupas ou lençóis;
  • Da mãe para o feto através da placenta;
  • Da mãe para o bebê durante ou após o parto, pelo contato pele a pele;
  • Úlceras, lesões ou feridas na boca também podem ser infecciosas, o que significa que o vírus pode se espalhar pela saliva.

Mais em Destaques