DestaquesGeralPolítica

Partido Novo registra maior número de filiações em um único mês desde 2019, com chegada de Deltan Dallagnol

0
Compartilhe este post

O partido Novo surpreendeu ao registrar, no mês de outubro, o maior número de filiações em um único mês desde junho de 2019. Ao todo, foram 1.720 novos membros incorporados à legenda, marcando o primeiro mês após a chegada do ex-deputado federal Deltan Dallagnol (Novo-PR). O ex-procurador, que teve seu mandato cassado, agora atua como “embaixador” do partido, com a missão de atrair novos adeptos e lideranças políticas.

Dallagnol, figura conhecida pela sua atuação na Operação Lava Jato, enfrenta questionamentos sobre sua elegibilidade por parte da comunidade jurídica, que, em grande parte, considera-o inelegível por oito anos. Embora tenha a opção de recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF), Dallagnol optou por não fazê-lo. Sua função no Novo inclui não apenas a captação de filiados, mas também a atração de lideranças políticas que possam representar o partido nas eleições.

Após uma conversa com Dallagnol, a jornalista bolsonarista Carla Cecato anunciou seu retorno ao Novo, evidenciando os primeiros resultados da estratégia do ex-procurador. O partido, que teve uma média de 711 novos filiados de janeiro a setembro deste ano, agora estabeleceu a ambiciosa meta de atingir 6 mil filiados apenas no mês de novembro.

Como incentivo, o Novo lançou uma campanha interna em que quem trouxer mais pessoas para a legenda será recompensado com prêmios que variam desde livros autografados até uma viagem para São Paulo, incluindo uma mentoria com Dallagnol e o presidente do Novo, Eduardo Ribeiro. Atualmente, o partido conta com aproximadamente 36 mil membros.

As recentes críticas do ex-presidente do Novo, João Amoêdo, à filiação de Dallagnol e ao salário do ex-deputado geraram uma resposta do presidente do partido, Eduardo Ribeiro, que considerou as declarações como uma tentativa de Amoêdo de “criticar o próprio partido”. Ribeiro desafiou Amoêdo a encontrar uma causa mais digna e um partido mais aceitável. A disputa interna no Novo revela as diferentes visões sobre os rumos da legenda e sua busca por relevância no cenário político brasileiro.

Mais em Destaques