DestaquesGeral

Aumento dos focos de mosquito transmissor da Dengue preocupa a vigilância sanitária

0
Compartilhe este post

A preocupação com relação ao aumento do número de focos do mosquito transmissor da Dengue só aumenta. De acordo com o setor de vigilância sanitária da secretaria de saúde, o número de focos do mosquito aumentou em 30% no último mês. Os dados estão colocando o município em situação de alerta com relação à doença.

De acordo com coordenadora da vigilância Sanitária, Lúcia Vilarinho, os focos estão em todos os bairros. “Nós estamos muito preocupados, pois estamos localizando muitos focos de procriação do mosquito, mas o mais preocupante é que os focos estão aparecendo em todos os bairros da cidade. Isso demonstra que a comunidade precisa nos ajudar um pouco mais com relação aos cuidados para não deixar locais que possam ser utilizados pelo Aedes para depositar os ovos.” Explica.

A prefeitura de Espumoso já possui o projeto de lei que prevê multa para pessoas que não mantiverem a limpeza dos seus pátios em dia em locais de proliferação.

Conforme a lei, a multa para quem for flagrado pela Vigilância Sanitária com criadouros do mosquito da dengue em qualquer prédio ou terreno, parte do valor de R$ 127,50, podendo dobrar em casos de reincidência. A multa, entretanto, não é aplicada assim que o criadouro é encontrado. Após o flagrante, os agentes da Vigilância Sanitária precisam notificar o dono do imóvel. Feito isso, o proprietário tem 48 horas para tomar as providências necessárias, eliminando o foco do mosquito.

A lei também adota medidas mais severas para estabelecimentos de comércio de pneus e similares, para empresas de reciclagem, ferros velhos, catadores de produtos recicláveis e empresas que são consideradas como focos de proliferação do mosquito devem se adequar e manter os produtos secos, e no caso das borracharias e empresas de reciclagem, devem manter os produtos cobertos e secos.

Saiba alguns cuidados para evitar o acúmulo de água onde o mosquito pode se reproduzir:

cuidados Dengue

Eliminar, vedar e cuidar. Esses são os meios de evitar que o Aedes nasça e possa se transformar em vetor de doenças. Elimine tudo que pode acumular água – água parada é um dos maiores atrativos; vede as caixas d’água e recipientes que guardam a água; e cuide dos potenciais criadouros que não podem ser eliminados.

Outras medidas que as pessoas podem ter atenção são:

– Verifique se os ralos estão desentupidos e, se não estiver usando, deixe-os fechados ou com telas

– Observe a bandeja externa de água na parte de trás da geladeira

Para outras informações sobre o combate ao Aedes Aegypti clique aqui.

Fique alerta aos sintomas da dengue:

Depois da picada do mosquito com o vírus, os sintomas se manifestam normalmente do 3º ao 15º dia. Esse período é chamado de incubação. O tempo médio de duração da doença é de cinco a seis dias. É só depois do período de incubação que os seguintes sintomas aparecem:

Dengue Clássica
• Febre alta com início súbito.
• Dor de cabeça.
• Dor atrás dos olhos, que piora com o movimento deles.
• Perda do paladar e apetite.
• Náuseas e vômitos.
• Tonturas.
• Extremo cansaço.
• Manchas e erupções na pele semelhantes ao sarampo, principalmente no tórax e membros superiores.
• Moleza e dor no corpo.
• Muitas dores nos ossos e articulações.
Dengue Hemorrágica
Os sintomas da dengue hemorrágica no início da doença são os mesmos da dengue comum. A diferença ocorre, com maior freqüência, quando acaba a febre e começam a surgir os sinais de alarme:
• Dores abdominais fortes e contínuas.
• Vômitos persistentes.
• Pele pálida, fria e úmida.
• Sangramento pelo nariz, boca e gengivas.
• Sonolência, agitação e confusão mental.
• Sede excessiva e boca seca.
• Pulso rápido e fraco.
• Dificuldade respiratória.
• Perda de consciência.

Na dengue hemorrágica, o quadro clínico se agrava rapidamente, apresentando sinais de insuficiência circulatória e choque, podendo levar a pessoa à morte em até 24 horas.

Mais em Destaques