DestaquesPolícia

Cachorro que matou criança dentro de casa será levado para abrigo, diz polícia

0
Foto: Arquivo Pessoal
Compartilhe este post

O cachorro vira-lata que atacou e matou uma bebê será levado para um abrigo, disse a Polícia Civil (PC). Segundo a delegada Dilamar Aparecida de Castro, a pequena Isis da Silva Sobrinho, de cinco meses, foi deixada dormindo no sofá de casa pelos pais, que saíram para fazer compras.

O caso aconteceu na terça-feira (4), em Cidade Ocidental, no Entorno do Distrito Federal (DF). A criança foi resgatada pelo tio, que estava na casa no momento do ataque, e levada ao hospital, mas morreu. O g1 não localizou a defesa dos pais até a última atualização desta reportagem.

Segundo a delegada responsável pela investigação, o cachorro pertencia aos avós da vítima e, no dia do ataque, a criança, que morava em outro endereço com os pais, estava na casa da avó, que teria saído para trabalhar. Dilamar afirmou que o cachorro não tinha se alimentado no dia do ataque.

“Os policiais relataram que no local não tinha alimento para o cachorro, que estava sem se alimentar, possivelmente, porque os donos da casa estavam trabalhando”, disse.
Ataque

O tio da bebê contou à polícia que viu o irmão, pai da criança, sair de casa, mas não viu que a mãe o acompanhou, deduzindo que ela estava na residência. Disse ainda que ouviu o choro da criança e foi verificar o que era, quando encontrou a sobrinha no quintal sendo mordida e arrastada pelo animal.

A avó da criança, que preferiu não se identificar, informou que o cachorro estava com a família há 5 anos. Disse ainda que o cachorro nunca atacou ninguém antes. “Nunca tinha acontecido dele fazer nada disso com ninguém. Brincava com todo mundo, era um cachorro que brincava”, disse a avó.

Fiança

Os pais da bebê foram presos e, segundo a delegada, eles pagaram um salário mínimo (R$ 1.412) cada para serem soltos. “O delegado plantonista autuou eles por homicídio culposo, [quando não há intenção de matar]. Esse crime permite o pagamento de fiança em razão da tipificação”, explicou.

 G1

Mais em Destaques