GeralInternacionalMundo

Chuva complica socorro às vítimas do terremoto no Japão

0
TOSHIKAZU SATO/YOMIURI SHIMBIN/AFP/METSUL METEOROLOGIA
Compartilhe este post

Os socorristas japoneses enfrentaram chuvas intensas, estradas bloqueadas e réplicas do tremor principal nesta quarta-feira, dificultando os trabalhos de buscas e resgates na sequência de um poderoso terremoto que matou pelo menos 64 pessoas e deixou dezenas de milhares sem energia elétrica ou água corrente. Em toda a prefeitura de Ishikawa, na ilha principal de Honshu, sirenes soavam enquanto veículos de emergência tentavam cruzar por estradas bloqueadas por pedras e árvores caídas. A Península de Noto foi a mais atingida pelo terremoto de magnitude 7,5 em 1º de janeiro, com cidades portuárias como Wajima e Suzu se assemelhando a zonas de guerra, com estradas de lama, casas destruídas e barcos afundados.

“Eu nunca posso voltar lá. Agora é inabitável”, disse Yoko Demura, de 75 anos, de um abrigo na cidade de Nanao, para onde foi após sua casa ser reduzida a escombros. “Isso me entristece, e vou sentir falta”, disse ela à AFP. Em uma cidade da área de Suzu, “quase não há casas de pé”, disse o prefeito municipal Masuhiro Izumiya. “Cerca de 90 por cento das casas estão completamente ou quase completamente destruídas e a situação é realmente catastrófica”, disse ele, segundo a emissora TBS.

O governo regional confirmou 64 mortos e mais de 300 feridos, sendo 20 em estado grave, mas o número deve aumentar. Mais de 31.800 pessoas estavam em abrigos, e pelo menos 200 edifícios desabaram. Por volta de 32.800 residências ainda estavam sem energia elétrica na prefeitura de Ishikawa, disse a empresa de serviços públicos local. Muitas cidades estavam sem água corrente. “Já se passaram mais de 40 horas desde o desastre. Recebemos muitas informações sobre pessoas necessitando de resgate e há pessoas aguardando ajuda”, disse o primeiro-ministro Fumio Kishida após uma reunião de emergência da força-tarefa. O número de pessoal militar enviado para a área foi duplicado, com mais cães de resgate também sendo enviados, acrescentou. Muitos alimentos e suprimentos de emergência chegaram à região, mas a entrega às comunidades estava sendo prejudicada, disseram as autoridades regionais.

“Nossas linhas vitais foram cortadas”, afirmou Yuko Okuda, de 30 anos, de um centro de evacuação na cidade de Anamizu, ao longo da costa de Suzu. E à medida que as réplicas continuam acontecendo, nossa casa pode desabar a qualquer momento”, disse ela à AFP. O poderoso terremoto, medido em 7,6 pelo serviço meteorológico japonês, foi um dos mais de 400 a abalar a região. O sismo principal provocou ondas de pelo menos 1,2 metro em Wajima, e uma série de pequenos tsunamis foram relatados em outros lugares. O Japão enfrenta centenas de terremotos a cada ano, sendo que a maioria não causa danos, devido a rigorosas normas de construção implementadas há mais de quatro décadas. Terremotos têm atingido a região de Noto com intensidade crescente nos últimos cinco anos. O alto número de réplicas é resultado dos “complexos” sistemas de falhas abaixo da península, disse Yoshihiro Ito, do Instituto de Pesquisa de Prevenção de Desastres da Universidade de Kyoto, à AFP. O Japão foi assombrado por um terremoto submarino de magnitude 9,0 em 2011, que desencadeou um tsunami que deixou cerca de 18.500 pessoas mortas ou desaparecidas. Ele também inundou a usina atômica de Fukushima, causando um dos piores desastres nucleares do mundo. Danos menores foram relatados em algumas usinas nucleares ao longo da costa do Mar do Japão após o terremoto de segunda-feira e as réplicas – incluindo vazamentos de água usada para resfriar o combustível nuclear e uma paralisação parcial de energia em uma usina. Os operadores das usinas disseram que não havia perigo de danos ao meio ambiente ou às próprias usinas nucleares.

MetSul

Mais em Geral