DestaquesEstadoGeralPaís

Sindicatos dos Correios avaliam greve na Black Friday por inconsistências no Acordo Coletivo 2023-2024

0
Compartilhe este post

Os sindicatos dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares do Rio de Janeiro (Sintect-RJ) e de São Paulo, Grande São Paulo e Zona Postal de Sorocaba (Sintect-SP) anunciaram assembleias cruciais nesta quarta-feira (22) e quinta-feira (23), respectivamente, para deliberar sobre a possível decretação de uma greve na aguardada semana da Black Friday.

O Sintect-SP esclarece que a motivação para essa medida extrema está ancorada na necessidade de corrigir inconsistências deixadas pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) no texto do Acordo Coletivo 2023-2024. De acordo com o sindicato, essas inconsistências foram identificadas pelos sindicatos filiados à FINDECT (Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Correios) na minuta do acordo. A entidade sindical destaca que a correção foi negociada com o presidente da empresa e seus assessores, mas o acordo coletivo ainda não foi assinado devido aos prejuízos contidos nessas falhas.

Entre as principais reivindicações dos trabalhadores estão a correção das inconsistências relacionadas ao tíquete peru em pecúnia, o pedido por concurso público, melhores condições de trabalho e a correção da tabela salarial, solicitando R$250 para remunerações de até 7 mil e um ajuste de 3,53% para salários acima desse valor.

Os Correios, por sua vez, asseguram que estão operando normalmente em todo o país, com 100% dos empregados presentes, agências abertas e todos os serviços disponíveis. Contudo, cinco dos 36 sindicatos dos Correios realizarão assembleias nos próximos dias para deliberar sobre a possibilidade de uma paralisação parcial.

Diante desse cenário, a empresa já se antecipou, preparando uma série de medidas para garantir a continuidade dos serviços em caso de paralisação parcial e pontual. Entre essas medidas, destacam-se a contratação de mão de obra terceirizada, realização de horas extras, deslocamento de empregados entre unidades e apoio de pessoal administrativo.

Os Correios ressaltam que, pela primeira vez em sete anos, assinaram o Acordo Coletivo de Trabalho em 2023, recuperando mais de 40 cláusulas extintas anteriormente. O acordo inclui um aumento linear de R$ 250 para a maioria do efetivo, representando um aumento médio de 6,36% para mais de 71 mil empregados (83%), a partir de janeiro de 2024. Para alguns empregados, o aumento chega a 12%.

Além disso, na última segunda-feira (21), os Correios lançaram um programa de bolsa de estudos, com mais de 1.140 inscritos até o momento, visando proporcionar aos funcionários de nível médio a oportunidade de cursarem a graduação de sua escolha, destacando o comprometimento da empresa com o desenvolvimento profissional de seus colaboradores.

Mais em Destaques