DestaquesÚtimas Notícias

FGTS: saque calamidade também vale para cidades em situação de emergência

0
Foto: Anderson Fetter / Arquivo pessoal
Compartilhe este post

Quem mora em cidades que estavam na lista de estado de calamidade pública e passaram para situação emergência também tem direito ao saque calamidade do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Isso é algo já definido na Caixa Econômica Federal (CEF). A dúvida surge porque a análise dos danos com a enchente levou à reclassificação de centenas de cidades no Rio Grande do Sul.

Aliás, o banco elevou nesta tarde para 59 o número de municípios com autorização. A liberação vale para moradores de qualquer parte da cidade, não ficando restrita a áreas atingidas.

O valor máximo para retirada é de R$ 6.220 por trabalhador, limitado ao saldo da conta. O prazo de 12 meses foi retirado, dada a frequência recente de eventos climáticos no Estado. Para facilitar a retirada, em municípios com menos de 50 mil habitantes, foi dispensada a apresentação de comprovante de residência.

Para garantir o benefício, é preciso preencher a solicitação via aplicativo da Caixa. Não é necessário comparecer a uma agência bancária. As filas dessa quarta-feira (15) foram pela antecipação do abono salarial e, nesta sexta-feira (17), tem a do bolsa família.

Onde o saque calamidade está disponível

Agora, moradores de 59 cidades podem solicitar o benefício. Confira:

  1. Agudo
  2. Anta Gorda
  3. Arvorezinha
  4. Arroio do Meio
  5. Bento Gonçalves
  6. Bom Retiro do Sul
  7. Cachoeirinha
  8. Campo Bom
  9. Candelária
  10. Canoas
  11. Capela de Santana
  12. Carlos Barbosa
  13. Caxias do Sul
  14. Eldorado do Sul
  15. Encantado
  16. Esteio
  17. Farroupilha
  18. Faxinal do Soturno
  19. Feliz
  20. Forquetinha
  21. Guaíba
  22. Guaporé
  23. Harmonia
  24. Igrejinha
  25. Jaguari
  26. Lagoão
  27. Lajeado
  28. Maratá
  29. Mata
  30. Montenegro
  31. Nova Esperança do Sul
  32. Nova Palma
  33. Nova Petrópolis
  34. Nova Santa Rita
  35. Passo do Sobrado
  36. Paverama
  37. Portão
  38. Porto Alegre
  39. Porto Xavier
  40. Rio Pardo
  41. Roca Sales
  42. Rolante
  43. Santa Cruz do Sul
  44. Santa Tereza
  45. Santiago
  46. São Jerônimo
  47. São José do Herval
  48. São Leopoldo
  49. São Marcos
  50. São Sebastião do Caí
  51. Sapiranga
  52. Serafina Corrêa
  53. Sinimbu
  54. Sobradinho
  55. Taquara
  56. Taquari
  57. Teutônia
  58. Triunfo
  59. Venâncio Aires
Como solicitar o saque calamidade

Um passo a passo de como receber o valor do benefício está no site de GZH. Em resumo, a solicitação pode ser feita pelo aplicativo FGTS, opção Saques, pelo celular. Ao registrar a solicitação é possível indicar uma conta da Caixa, inclusive a Poupança Digital Caixa Tem, ou de outra instituição financeira para receber os valores, sem nenhum custo.

  • Ao acessar o app FGTS, clique na opção “Meus Saques
  • Escolha a opção “Outras Situações de Saques
  • Selecione o motivo do saque como “Calamidade Pública
  • Selecione a cidade e clique em​ “Continuar
  • Escolha uma das opções para receber o benefício​: crédito em conta bancária de qualquer instituição ou sacar presencialmente
  • Faça o upload dos documentos requeridos
  • Confira os documentos anexados e confirme ​
  • A Caixa irá analisar a solicitação e, caso esteja tudo certo, o valor será creditado em sua conta
Documentos necessários

Segundo a Caixa Econômica Federal, os documentos necessários para a solicitação são:

  • Carteira de identidade — também são aceitos carteira de habilitação e passaporte — sendo necessário o envio frente e verso do documento
  • Selfie (foto de rosto) com o mesmo documento de identificação aparecendo na foto
  • Comprovante de residência para cidades com  mais de 50 mil habitantes em nome do trabalhador: conta de luz, água, telefone, gás, fatura de internet e/ou TV, fatura de cartão de crédito, entre outros, emitido até 120 dias antes do decreto de calamidade
  • Certidão de Casamento ou Escritura Pública de União Estável, caso o comprovante de residência esteja em nome de cônjuge ou companheiro(a).

GZH/Giane Guerra

Mais em Destaques