DestaqueGeral

Mesmo superlotado, Presídio de Espumoso conta com metade do número ideal de agentes

0
Compartilhe este post

[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]

O presídio estadual de Espumoso conta atualmente com onze agentes penitenciários em atividade. A informação é da direção da casa prisional. Eles são responsáveis pelos 120 presos e muitas vezes apenas dois agentes tomam conta de todo o presídio.

Este número é pelo menos metade do total de agentes previstos pela legislação. Para os 120 presos, seria necessário um total de 23 agentes, mais do que o dobro do número atual. Cada agente penitenciário deve ficar responsável por até cinco presos, conforme determina a própria Superintendência de Serviços Penitenciários (SUSUPE) e o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP), órgão ligado ao Ministério da Justiça (MJ).

Em Espumoso, um agente cuida de pelo menos 11 presos, sendo que durante a noite apenas dois agentes toma conta de todos os 120 apenados. Isso sem considerar as folgas e os servidores atuando em funções diversas.

Outro problema do presídio é a lotação. Com capacidade máxima para 54 presos, a casa está abrigando 120 apenados, mais que o dobro do total da capacidade. A diretora do presídio, Carla Rodrigues destaca que mais de 20 presos foram colocados em prisão domiciliar devido à superlotação. “No início do mês tivemos de liberar 21 apenados de menor periculosidade para cumprirem prisão domiciliar, porém, estes devem retornar nós próximos dias ao presídio. Temos um problema muito grave com relação à superlotação, temos muitos presos dormindo no chão e alguns no banheiro. Temos que procurar uma solução, pois não adianta deixar o preso recolhido e em condições sub-humanas, pois o banheiro é coletivo e não tem condições de ninguém dormir lá” Destacou Carla.

A pressão de trabalhar em presídios aumenta com o problema da superlotação e os desvios de função. Para o agente João Carlos da Silva, os problemas são constantes, mas o presídio ainda é um dos melhores para se atuar. “Eu trabalhei em Passo Fundo, Carazinho e em Charqueadas, claro que aqui é um presídio de segurança mínima, mas é muito melhor de trabalhar aqui do que em outros presídios, mesmo sabendo que é uma unidade com presos de baixa periculosidade eu não deixamos de fazer nosso trabalho e facilitar também para a direção.” Lembrou João.

A direção por sua vez destaca que as ações em parceria com os agentes e os trabalhos dos presos tornam o trabalho mais fácil. “Se levarmos em conta as condições de segurança, o perfil dos presos, e o trabalho da administração entre outros motivos, podemos dizer que o presídio de Espumoso é um dos melhores presídios para se trabalhar. Aqui os agentes sempre nos auxiliam mesmo não estando nas escalas em determinadas transferências e audiências, isso e o comportamentos dos presos faz com que o trabalho seja mais fácil.” Enfatizou Carla.

Em geral, o presídio abriga condenados por crimes como tráfico de drogas, homicídio, estupro, roubos e furtos. Mesmo não sendo um presídio feminino, a casa também abriga nove mulheres.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Mais em Destaque