Geral

Rio Grande do Sul confirma primeiro caso de Zika vírus

0
Compartilhe este post

[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]

A prefeitura de Porto Alegre confirmou nesta manhã o primeiro caso de zika vírus envolvendo um morador da cidade. Segundo a secretaria municipal da Saúde, o registro envolve uma mulher não-gestante, moradora do Bairro Jardim Carvalho. Antes de contrair a doença ela viajou ao Mato Grosso, por isso o registro é tratado como importado – contraído fora da cidade.

Segundo o coordenador de vigilância em saúde de Porto Alegre, José Carlos Sangiovanni, a capital ainda aguarda resultados de testes para saber o quanto o zika vírus pode estar circulando na cidade.

“A possibilidade de um paciente passara o vírus para alguém sempre existe, assim como passar para o mosquito. Na área onde morava e circulava essa paciente, as armadilhas apontam para baixa infestação do mosquito. Para saber se há circulação do zika em Porto Alegre, dependemos da análise dos mosquitos, o que deve sair nos próximos dias”, diz Sangiovanni.

A notificação do caso suspeito ocorreu em 4 de janeiro, mas a confirmação do diagnóstico só chegou ontem à noite.  Outros 10 casos suspeitos são investigados na Capital, além deste confirmado.

De acordo com a secretaria, a mulher já foi tratada e passa bem. O bairro passou por operação de aplicação de inseticida.

“O vírus chegou no Rio Grande do Sul. Por isso, é importante a população entender que 75% das notificações da presença do mosquito envolvem o ambiente domiciliar. É a caixa d’água, o vaso de planta, o pneu”, saliente o secretário.

A prefeitura também confirmou o primeiro caso de dengue contraído em Porto Alegre (autóctone) em 2016. Segundo a secretaria da Saúde, é de uma moradora do bairro Vila Nova, na zona sul da cidade. Ela também foi tratada.

Em coletiva à imprensa no fim da manhã, o secretário estadual da Saúde, João Gabbardo, confirmou que o Estado registra um aumento de cinco vezes no número de notificações de casos de dengue no início de 2016, em comparação com o mesmo período do ano passado. São 36 casos confirmados este ano, sendo quatro autóctones.

Contágio
O mosquito Aedes Aegypti, o mesmo que pode transmitir a dengue e a febre chikungunya, também é o responsável pela difusão do zika vírus. Para evitar a proliferação das larvas, é preciso tomar cuidados básicos, como evitar o acúmulo de água parada.

Combate ao mosquito
Atenção para as principais medidas para evitar a formação de focos para larvas do mosquito:

– Eliminar qualquer possibilidade de armazenamento de água a céu aberto, como pratinhos que ficam embaixo de vasos de plantas, ralos de calhas, garrafas com a boca virada para cima, pneus velhos, etc.

– Instalar redes finas para que mosquitos não consigam acessar pontos em que podem criar as larvas.

– Quanto aos sintomas, é preciso observar quadros de febre, coceira, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dor no corpo e nas juntas e manchas vermelhas pelo corpo.

Fonte: GAÚCHA

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Mais em Geral