GeralSaúde

Saiba como lidar com as alergias oculares durante a primavera

0
Compartilhe este post

A primavera, estação conhecida pelo colorido das flores e pelo aumento gradativo das temperaturas, iniciou no hemisfério sul nesta quarta-feira, 22 de setembro, às 16h21min.

Ao mesmo tempo que a floração torna as paisagens verdadeiros cartões postais, para muitos, é o motivo de complicações como coceiras, alergias, dentre outros problemas.

Para a médica oftalmologista do Hospital de Olhos Dyógenes A. Martins Pinto Lions, Dra. Cristina Cagliari, o monitoramento dos sintomas e a supervisão de um profissional devem sempre ser observados nesta época.

“As alergias oculares são caracterizadas pela hipersensibilidade do corpo frente a algum elemento externo a ele”, explica.

Dra. Cristina descreve que as alergias são identificadas através de sintomas sentidos pelo paciente e sinais específicos analisados pelo médico oftalmologista.

“Os sintomas mais frequentes são coceira ocular e sensação de corpo estranho. Os sinais comuns são vermelhidão ocular e inchaço das pálpebras”, destaca.

A primavera, no entanto, torna a presença de elementos externos ainda mais intensa e frequente. Segundo a médica oftalmologista, existem diferentes tipos e causas de alergia ocular.

“No tipo primaveril, o pólen é encontrado em maior quantidade no ar durante a primavera e é normalmente o responsável por causar as crises. Os outros tipos de conjuntivite alérgicas são a sazonal (associada a rinite alérgica e asma), atópica (associada a alergias de pele) e papilar gigante (associada ao uso de lentes de contato)”, detalha Cristina.

O que não deve ser feito em caso de alergia ocular

O ato de coçar os olhos de forma intensa e a automedicação para tratar alergias oculares são os dois principais problemas observados por Cristina. A oftalmologista alerta que em ambos os casos, o paciente poderá enfrentar consequências que podem perdurar mesmo após a alergia passar.

“Não devemos coçar os olhos em hipótese alguma, muito menos usar colírios sem indicação médica, salvo as lágrimas artificiais. A minha principal orientação é: consultar um oftalmologista. Existem tratamentos específicos e que devem ser individualizados pelo médico, porém a precaução é o mais importante”, reforça a especialista.

A oftalmologista alerta que a utilização indiscriminada de colírios com corticosteróides pode causar complicações como glaucoma e catarata.

Dicas de como lidar com as alergias oculares na primavera

Algumas ações podem ser adotadas para amenizar os sintomas das alergias oculares na primavera, e que podem ser adotadas ao longo do ano todo.

Confira as recomendações da Dra. Cristina Cagliari:

  • Em todos os casos, evite coçar os olhos;
  • Use lágrima artificial e mantenha uma higiene adequada das pálpebras;
  • A boa alimentação também é importante, uma vez que ajuda na produção de uma lágrima de qualidade;
  • Consulte um oftalmologista com frequência;
  • Usar medicação sem orientação médica é perigoso. Existem colírios, como os corticosteróides, que são usados para tratar crises de alergias, porém não devem fazer parte da rotina do paciente.

*Diário da Manhã

Mais em Geral